Nossa História

01

Mês de abril de 1.953.

Manhã ensolarada, céu azul, sol brilhante.

Os amigos e IIr.´. Dr. Nilson Nogueira e Arquimedes Deschamps, casualmente se encontram e se dirigem ao café e bar garotinho à Av. Nilo Peçanha  com Marechal Floriano para tomarem um cafezinho. Entre um gole e outro ,surgiu a idéia de fundarem uma loja maçônica em Nova Iguaçu porque a que existia, a Duque de Caxias havia tombado as colunas já há alguns anos. Dali, seguiram para a farmácia do também Ir.¨. Antônio Alves Gaio a quem expuseram suas idéias e ele prontamente as endossou.

Seguiram , então ao encontro do Ir.: Nime Jorge Harbes Filho proprietário da Sapataria Santa Branca à Av. Nilo Peçanha, 96 – centro de Nova Iguaçu que também aderiu a idéia.

Após confabularem, foram ao encontro do irmão João Ferreira e Jovelino Moreth para completarem o mínimo necessário legal de determinado número de IIr.: para que realmente uma Loja Maçônica funcionasse. Os dias corriam e finalmente com a adesão de IIr.: da Loja União de Iguaçu Oriente de Nilópolis conseguiram o número suficiente para que  pudessem funcionar.

Vencidos os impecilhos e preparadas as papeladas para seu funcionamento, ficou acertado que as reuniões seriam a principio, na sapataria do Ir.: Nime e a data de sua fundação se deu no dia 05 de maio de 1953, com a presença de 13 IIr.: fundadores que assinaram a carta Contitutiva.  Decidiram escolher  o nome para a nova Loja. Foram selecionados os nomes : Vigilância (que tem como símbolo o galo) e MESTRE HIRAM.  Por unanimidade foi escolhido o nome de MESTRE HIRAM. Esses nomes foram selecionados da relação apresentada pelo irmão Nilson Nogueira, que tendo atuado como secretário na Loja União de Iguaçu detinha em seu poder a relação de todas as lojas atuantes do Brasil das três potências que existiam naquela época: Grande Oriente do Brasil, Grandes Lojas e Grande Oriente Unidos do Brasil. Esta última mais tarde iria se incorporar ao grande Oriente do Brasil.

Os fundadores foram os IIr.: Nime Jorge Harbes Filho,que fora escolhido como primeiro VENERÁVEL da Loja e a seguir os IIR.: Dr. Nilson Nogueira, Arquimedes Deschamps, Antônio Alves Gaio, Jovelino Moreth, Manoel Pires, João Ferreira, José Antônio Marques, José Camerino da Guia, Péricles Barbosa, Odorico Barbosa, Elzio Ramalho, ………………

Nesta Ata, não consta o nome do décimo quarto Ir.:

Baltazar de Carvalho que deixou  de assinar a Carta por estar fora do Município a serviço da Cia. Telefônica, no Paraná.

As reuniões se sucediam na sapataria, que as quartas feiras, após as 20 horas se transformava em Loja Maçônica.

As colunas, improvisadas com caixas de sapatos empilhadas, as colunas do Norte e do Sul eram as cadeiras para atendimento dos fregueses. O Ir.: que vos fala era o cobridor externo, pois recepcionava os IIr.: que chegavam para participar dos trabalhos.

Recebi naquela ocasião, vários convites para  ingressar na Ordem Maçônica, porém como estava construindo uma casa para casar declinei da chance de nela ingressar.

Meu ingresso na Ordem se deu no dia 16 de dezembro de 1.966  sendo Venerável o Ir.: Carlos Ferreira Batista Filho que me deu a Luz e o meu padrinho foi o Ir.: Valter Alvarenga Ribeiro.

Após 5/6 mêses chega a nossa cidade o Ir.: Coronel Antenor Dias de Carvalho e se filia a Loja Mestre Hiram.

Após vários meses a Loja Mestre Hiram se transfere para uma casa residencial a Rua Egidio Mendonça Thuler, hoje Av. Gov. Amaral Peixôto. O Ir.: João Ferreira é quem ficou encarregado de fazer as adapatações para o funcionamento da Loja, e conseguiu junto a montadora dos Jeep Willis que funcionava num galpão onde hoje é a Estação Rodoviária, as embalagens de madeira dos Jeeps, as quais foram usadas para fazer suas divisórias necessárias.

Funcionou ali durante vários anos, até 1.964 e finalmente conseguiram com o já Ir.: e prefeito    ARI SCHIAVO a doação do terreno onde hoje estamos instalados a Rua Paiva Teixeira, n* 20, centro, Nova Iguaçu. Neste mesmo ano começaram as obras para a edificação do Templo Mestre Hiram. Em 1966 já havia sido construída a parte térrea onde hoje funciona a Escola Mestre Hiram, órgão de ensino este que é motivo de orgulho para os Maçons iguaçuanos em geral.

O profano, e posteriormente Ir.: George Goldenberg, judeu alemão e arquiteto foi o idealizador do projeto do Castelo Maçônico Mestre Hiram como gratidão de ter sido salvo das mãos dos nazistas juntamente com sua esposa, conseguindo fugir da Alemanha para o Brasil graças a intervenção da Maçonaria.  Tornou-se mais tarde membro de nossa Loja Mestre Hiram.

As obras se sucediam Venerável após Venerável com sua administração dando sua parcela na construção do Templo conforme determina o Ritual maçônico. A galeria dos mesmos, se encontra devidamente atualizada e muitos já passaram para o Oriente eterno. Além dos fundadores, muitos outros colaboraram para a construção do templo como Paulo Dellaplane, Mohamed Ali Caqui, Jorge Nehme, Ramiro Arides ( doou cerca de 18.000 tijolos) e hoje Sheik ou príncipe da Arábia Saudita, titulo que lhe foi concedido pelo Rei Faroud; Péricles Barbosa a areia suficiente para a obra. O Ir.: Emilio forneceu toda a mão de obra para a instalação elétrica, nada cobrando. O Ir.: Vera que tinha um material de construção no Rancho Novo, materiais diversos e ferragens com a ajuda de Jorge Nehme Arbex. Alguns de vocês não tiveram a Honra e satisfação de conviverem com Baltazar de Carvalho, Artur Barroco, filatelista competentíssimo e respeitado no mundo todo com suas coleções de selos ,superiores a de Nelson Rockefeler , multi milionário americano. João Paulino, a quem Loja outorgou uma placa de bronze (na entrada da porta da Loja.) foi o operário permanente durante anos na contrução do templo e seu ajudante.  Sr.Antônio zelador, que não era maçom,prestou relevantes serviços a nossa Ordem  ornamentando as reuniões dos diferentes graus bem como a Escola Mestre Hiram. Outros nomes de IIr.: que atuaram na Ordem e que já passaram para o Oriente eterno : Dácio Astrolabio dos Santos (docemente), Alcy Rodrigues, Rosendo de Freitas, Hélio de Carvalho, José Tavares, Alberto Waltes, Joaquim de Freitas, (doou o portão principal de nosso Templo ) .

Várias lojas funcionaram no nosso Templo durante alguns anos, dentre elas : Deodoro da Fonseca II, Monte Líbano

Tivemos ainda o “ Grupo das Acácias “, esposas de IIr.: ativos , as quais varravam a noite preparando, temperando, e assando pernis, arroz a la Grega,, carne assada e outros quitudes que eram servidos através de convites previamente vendidos ( 10) para cada Ir.:) e a renda se destinava a angariar fundos para a construção e pagamento dos operários. A todos os Maçons rendo minhas homenagens, pois mesmo após a morte continuam conosco.

Trabalho elaborado pelo Ir.:  NABI MIGUEL GR.: 33 .
´CIM : 84.214.
Nova Iguaçu, 29 de agosto de 2012.